A nacionalidade do bacalhau

2 jan • A Vida como ela foiNenhum comentário em A nacionalidade do bacalhau

Zezinho no Gambrinos falando sobre a nacionalidade do bacalhau

 Eu e um grupo de amigos vamos sempre no Café do Mercado Público nos sábados de manhã para jogar conversa fora e ver a humanidade desfilando.  Em um desses sábados, aproximou-se da mesa o Zezinho (foto), veterano garçom do mais que centenário restaurante Gambrinus. Zezinho se intitula o Último Samurai. Bageense, baixinho, mistura de raças, um pouco de bugre, cabelo preto como as asas da graúna, sempre vem com uma. Chegou à nossa mesa com um travessa, que entregou para o doutor Nestor. E foi logo advertindo do conteúdo – contchiúdo, como se diz na Fronteira.

 – O peixe é nacional, mas a batata é inglesa.

 Minha vingança é mostrar a bainha das calças do Último Samurai.

 – O Zezinho é tão antigo que ainda traz na calça a marca da enchente de 1941, que inundou toda a área central de Porto Alegre.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »