A morte como rotina

16 ago • NotasNenhum comentário em A morte como rotina

O Sindicato Médico do RS (SIMERS) manifestou dor e revolta diante da morte brutal da médica Graziela Muller Lerias, 32 anos, vítima da violência que atinge níveis insuportáveis no Estado, principalmente em Porto Alegre. Graziela foi atingida por tiros em um assalto na noite deste domingo (14), quando estava em seu carro com a irmã na avenida Sertório com a Ceará.

Faço minha a dor do sindicato. Olha que sou calejado, mas estragou meu dia quando soube do caso, ontem de manhã, através de um oficial da Brigada, colega de academia. Lembro que nos meus tempos de repórter policial na ZH a cidade viveu também uma onda de violência, mas basicamente assaltos com algumas mortes, não esse festival macabro que acontece hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »