A história do galeto

6 ago • A Vida como ela foiNenhum comentário em A história do galeto

Pobre quando come galinha, um dos dois está doente. Essa era uma máxima que valeu até o início dos anos 1960. Galinha era cara, não se comia todos os dias. Cara e dura, por sinal, então o melhor era fazer galinhada com horas na panela. O frango tal como o conhecemos surgiu quando visionários olharam o panorama visto do galinheiro: por que não encurtar o ciclo de criação? Do ovo à galinha se passavam mais de três meses, hoje em torno de 40 dias, se tanto. Com a escala, essa proteína animal ficou cada vez mais barata.

O galeto al primo canto surgiu nas regiões da colonização italiana do Rio Grande do Sul, estendendo-se em seguida para as galeterias ao longo das rodovias com maior movimento. Mas por que de uma hora para outra os gringos passaram a comer pedacinhos de osso com alguma carne ao redor? Por causa do fim dos passarinhos, que eles caçavam à exaustão. A passarinhada era o galeto al primo canto de hoje.

Caçavam as pobres aves às centenas e milhares. Depenadas, eram enfileiradas em espetinhos finos ao longo de dezenas de metros de fogo. Pode parecer cartesiano, mas com a quase extinção dos pássaros e o terrível desmatamento terminou a moleza. O que mais se aproximava de uma passarinhada eram os franguinhos adolescentes. O resto dos gaúchos não achava graça em chupar ossinhos, então surgiu o frango ou galeto como o conhecemos.

Para azar dos frangos, ao fim e ao cabo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »