A expulsão de Paixão Côrtes

11 jul • A Vida como ela foiNenhum comentário em A expulsão de Paixão Côrtes

Paixão Côrtes é fotografado por JOão Mattos

 No próximo dia 12, o pesquisador e folclorista Paixão Côrtes completa 90 anos. Terá homenagem da Assembleia Legislativa, reconhecimento público bem diferente dos anos 1970, quando queriam até sua expulsão. Paixão foi ator de comercial de uma marca de café solúvel, a Dínamo, em que aparecia pilchado e exclamando “Chega de café de chaleira!”. Não foi à toa. Paixão provou que o café em que se mergulha um tição para a borra assentar no fundo, era invenção turca há séculos.

 Foi um Deus nos acuda. Grupos formados por fundamentalistas guascas foram a Palácio pedir que o governador Euclides Triches expulsasse o pesquisador do Estado, Vocês leram certo, queriam expulsá-lo do Rio Grande do Sul. Pleito obviamente ignorado por Triches.

 Isso foi em 1973. De lá para cá, o fundamentalismo ganhou corpo mesmo fora dos centros tradicionais de gauchismo exacerbado. O fato é verídico e dou fé, e se não acreditarem em mim perguntem para o Paixão, que, nas pesquisas, nunca pregou prego sem estopa e tudo que descobria filmava em filmadora Super 8 e ainda gravava em áudio separado.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »