A escada impossível (final)

20 dez • A Vida como ela foiNenhum comentário em A escada impossível (final)

O dono da Gauchinha chamava-se Johan Passberg, também proprietário do Restaurante João, na rua Arabutã, travessa da avenida Farrapos – especialidade: pato. Seu Johann foi o primeiro terceirizado para fornecimento de comida nas empresas aéreas, começando pela Cruzeiro do Sul. Ele ficava sentado num tamborete alto junto ao balcão, e repetia que sua diversão era ver fregueses conversando.

O que a Gauchinha tinha de mortal era a escada de ferro em espiral do térreo até a sobreloja. Rapaz, era inacreditável. Estreitíssima, apertadíssima, degraus pequenos, um pesadelo para subir. Imagina para descer. E pensa em descer depois de meia dúzia de chopes. Aquilo era uma obra de engenharia projetada por algum sádico especializado em atormentar o ser humano, embora a arquitetura do prédio não permitisse opções.

Certa vez, perguntei ao garçom Luiz como podia um bar ter uma escada de acesso assim.

– O pessoal se acostuma. Até hoje ninguém ficou entalado nela. Ficou?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »