A diferença

3 fev • Caso do Dia1 comentário em A diferença

Fotojornalista João Mattos faz imagens logo após o temporal que feriu Porto Alegre na noite de sexta-feira dia 29 de janeiro

Com alguma frequência, perguntam-me qual a diferença nas redações nos anos 1960 e 1970 com as de hoje. Pois eu digo qual é: depois da catástrofe climática de sexta-feira passada, que se estende até hoje, as redações deveriam estar fervilhando de gente no sábado de tarde e ontem. Fervilhando de repórteres que, mesmo de folga, deveriam ir direto para as redações para se oferecer para cumprir pautas.

Não ligar antes, ir direto. De preferência, catando informações e fotos no caminho e até antes. Não é o que acontece em casos assim. Olhem o exemplo do Diego Casagrande, que não estava trabalhando mas, de dentro do carro, durante o tempo em que a bateria durou, percorreu avenidas e ruas relatando o que via para o programa de Milton Cardoso, na Band, no AUGE da tempestade.

Não era obrigação dele? Era, aí que está. Podia se fingir de morto, como (não são todos) repórteres burocráticos, pressurosos em ir logo para casa e sempre de olho no relógio. É gente sem ambição, condenada a ser empregadinho doméstico por toda a vida.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

One Response to A diferença

  1. Miguel disse:

    Oi Ferrando
    Tá feia a coisa!
    Hoje li no site da Veja uma notícia sobre a descoberta de complexos cálculos astronômicos encontrados em placas de argila babilônicas, publicadas na Science. O absurdo é que a Veja coloca a datação como 350-50 dC.
    Como assim, babilônios depois de Cristo?
    A própria grafia decrescente dos anos indica ser antes de Cristo.
    Fui na Science e lá está 350-50 BCE que até o tradutor do Google coloca como aC.
    Um abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »