A coxinha

3 dez • A Vida como ela foiNenhum comentário em A coxinha

Em uma das incursões pelo Litoral gaúcho, o jornalista Osni Machado chegou na lancheira para comer algo. Estava com vontade de um alimento feito na hora. Então perguntou para o homem no balcão.

– O que o senhor tem para comer, que tenha sido feito agora?

Ele respondeu:

– Tem várias coisas, como sanduíche, uns bolinhos de carne e coxinha de galinha, entre outros.

Osni olhou pelo vidro do balcão e então escolheu um.

– De que é feito aquele ali?

Ele respondeu de imediato.

– Esse aí é uma novidade. É coxinha de peixe.

Naquele momento o Osni não compreendeu. Era um paradoxo.

– Como assim coxinha de peixe. Peixe não tem perna, muito menos coxa.

O vendedor, então explicou:

– Estamos fazendo coxinha de frango e aí o cozinheiro ficou sem carne frango e passou a fazer o recheio com peixe. Deste modo, virou coxinha de peixe.

Quando o colega contou o causo, falei que era liberdade poética, então o balconista estava cometendo uma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »