A caneca da discórdia

11 abr • A Vida como ela foiNenhum comentário em A caneca da discórdia

Em meados dos anos 1960, a fábrica da Brahma em Porto Alegre marcava o início e fim da jornada com um apito na sua chaminé que era ouvido na maior parte da cidade. Estranhamente, o segundo apito não se dava às 18h, mas às 17h. Tinha a ver com uma pausa que a empresa fazia para dar 20 minutos de descanso aos funcionários que faziam o exame visual das garrafas envasadas com cerveja que saía dos bicos injetores.

A Brahma dava almoço aos seus funcionários, e, nos 20 minutos de descanso, os funcionários recebiam uma caneca de chope para molhar a folga. Sucede que a empresa contratou uma consultoria para reduzir custos e uma das medidas foi terminar com a tal folga, consequentemente com a caneca de chope. O sindicato entrou na Justiça do Trabalho e venceu a causa.

O sindicalista que me contou o caso na época disse que o juiz perguntou se os funcionários queriam os 20 minutos em dinheiro ou redução da jornada. Tanto faz, disseram, desde que a não perdessem a caneca de chope. Por isso, a Brahma foi uma das poucas empresas que serviam almoço e jantar naquela época.

Com direito a uma caneca de chope.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »