A bolsa dos bichos

25 mar • A Vida como ela foiNenhum comentário em A bolsa dos bichos

Em um dia que parecia normal, o Rei da Floresta espalhava os dentes com a costela do último carregador de moringa do safári quando chegou a raposa, toda afobada.

– Chefia, algo ruim está acontecendo na floresta!

O leão cheirou o ar.

– Não estou cheirando nada, tá normal. Que alarmismo é esse,guria?

– Mas o senhor não está sabendo? A bicharada está em polvorosa porque o homem branco espalhou um veneno no ar. Vamos morrer todos. E pior os bichos estão vendendo todas as suas ações da bolsa. Imagina, tiveram que acionar o circuito breaker!

Desta vez, o Rei da Floresta se preocupou.

– O que você está me dizendo, dona raposa! Todas as ações?

Sim, todas. Valem o mesmo que um rolo de papel higiênico usado dos humanos. Se bem que na Venezuela ainda tem quem o use…

O leão estava quase chorando. Toda sua poupança fora aplicada no fundo de ações do Banco dos Bichos É por que você não me avisou antes?

A raposa sentiu que poderia ser o lanche do leão, que saiu do choro e engrenou a primeira marcha da raiva.

– Seu leão, por favor me poupe. E para provar minhas boas intenções, vou vender meu estoque da galinhas e comprarei suas posições, pode ser?

Pela primeira vez na sua vida, o leão deu dois beijos em um bicho que normalmente comeria. Entre  um e outro ósculo pensou como podia alguém ser tão burro mesmo sendo raposa.

Esta se afastou com o rosto baixo como a parecer desolada. Na real, estava é pensando onde estocaria todas as galinhas que compraria em breve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »