Os inocentes esquisitos

31 mar • A Vida como ela foiNenhum comentário em Os inocentes esquisitos

Fernando-Albrecht-fala-sobre-pais-que-colocam-nomes-esquisitos-nos-bebês

 A propósito de nomes estrambólicos – o marco zero dos nomes esquisitos foi quando Michael Jackson se tornou celebridade mundial – sempre recordo de uma lista antiga, com pais desalmados que colocaram Um Dois da Silva Quatro nos pimpolhos. O pior é que, naquele tempo, como dizia Jesus, era proibido trocar de nome no cartório, ao contrário de hoje, mesmo que as crianças inocentes odiassem o nome dado pelo papá e mamã. Pode até trocar João por Maria e vice-versa. Muitos nem sabem se são João ou Maria, e enquanto não tomam tenência são João e Maria ao mesmo tempo.

 Nomes mais prosaicos, não chamativos, como Analice ou Analise, também têm sua história. Pode tanto ser a junção de Ana com Alice e Ana com Lise quanto a apropriação de um termo obrigatório em um vidro de xarope ou outro medicamento líquido, “análise bromatológica número tal”, como era obrigatório constar nos rótulos, anos 1940 em diante. Famílias humildes e de pouca instrução dos interiores achavam bonito e pespegaram esses nomes nas recém-nascidas. Até chegar o primeiro Maiquel Jaquinson.

 Ah não? Quantas Analises ou Analices jovens você conhece hoje em dia?

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »