O livro aberto

23 fev • A Vida como ela foiNenhum comentário em O livro aberto

   Nos tempos da velha Polícia Civil, havia um comissário que tentava, sem êxito, falar um português correto quando na presença de jornalistas. A forma como falava remetia aos cantores bregas dos programas de auditório nos anos dourados do rádio, acompanhados de caras sofridas como se tivessem atingido um nervo exposto do dente com uma bola de sorvete.

  – Você jamais saberás, queridaaa…

  Certa vez, assim ele se referiu aos motivos da prisão de um falso malandro, malandro pemba na gíria de então – que inventou de fumar um baseado bem na frente da casa dele.

  – Homossexual, toxicomano e alcolátra.

  O xis tinha o som de xis mesmo; toxicômano sem circunflexo e alcoólatra sem um O e com acento no A. Mas insistia em usar termos que, na boca dele, sofriam estranhas reviravoltas.

  Um dia o surpreenderam aceitando uma contribuição “para a polícia” e um cigarro de maconha de um traficante pé-de-chinelo sem eira nem beira. Questionado por um repórter, indignou-se.

  – A minha vida é um livro aberto, não uso drogas. Não tenho nenhuma sevícia.

  Pior que tinha.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »