A proibição de Navegantes

3 fev • NotasNenhum comentário em A proibição de Navegantes

A Procissão de Navegantes em Porto Alegre era bonita quando a única parte terrestre era levar a Santa da Igreja do Rosário até o Cais do Porto e depois algumas dezenas de metros até a Igreja de Navegantes. Quando houve o naufrágio do Bateau Mouche, no Rio, em 1988, a Marinha passou a cobrar o uso de um colete salva-vidas para cada pessoa a bordo, entre outras exigências. Mas nunca a proibiu, como todo mundo repetia.

A partir dali a procissão passou a ser feita por terra, ao longo da avenida Voluntários da Pátria e por anos e anos. A desculpa era sempre a Marinha, mas a verdadeira história apareceu depois. Um dos organizadores fez uma promessa à Santa, se um familiar se curasse de determinada doença, ele prometeu que a procissão seria por terra sempre. Hoje, é parte água parte terra.

O fato existiu, mas há alguma nebulosidade em torno dessa história. Não fazia e ainda não faz sentido que uma promessa a uma santa da água envolva a retirada da imagem do barco para que ela seja levada por terra firme. Sabe-se lá qual a lógica.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »