O 36

26 out • A Vida como ela foiNenhum comentário em O 36

Logo que arranchei de vez em Porto Alegre, dividia apartamento com amigos no edifício Bagé, na Barros Cassal. No número 36 da Cristóvão Colombo, ali pertinho, havia um pequeno e maravilhoso bar, o Bob’s, do seu Roberto, o melhor croquete de peixe e melhor torrada que comi na minha vida, categoria “Como esses nunca mais”. O garçom Creso vendia cigarros americanos, giletes inglesas e desodorantes franceses aos fregueses. Saía do sério quando eu o chamava de “Creso em Cruz Ave Maria”. Logo ele, que carregava o nome do poderoso rei da Lídia, na Grécia antiga, vendendo bagulho.

Na década de 70, o Bob’s fechou de vez e deu lugar à boate do Isidoro. Certa noite, um grupo saiu do Chalé da Praça XV e aproou o Isidoro. Quando o porteiro abriu a porta, uma bela música ao vivo flutuou para a rua. Empolgado e mais alto que o Everest, o Sérgio Durão botou as mãos em concha na boca e gritou alto em bom som:

– Champanhe para a orquestra!

Fez uma baita economia. A “orquestra” era apenas um cantor e seu violão.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »