A maçã de Eva

26 ago • NotasNenhum comentário em A maçã de Eva

Presumo que a maçã que a Eva comeu devia ser muito boa para ela trocar pelo paraíso. Fosse antigamente, eu diria que ela teria que ser europeia, porque maça argentina era farelenta, porque na época as técnicas de frigorificação não eram lá essas coisas.

E só tinha dois tipos, a normal, e azedinha, casca verde. Com o correr do tempo, os catarinenses e depois os gaúchos descobriram que em se plantando dava, então vieram as modelos, digamos assim, fuji (a mais caldosa, lá atrás), gala e outras. Ninguém queria mais as argentinas.

Como em todos os produtos, você paga mais para ter mais qualidade. Boa parte das fruteiras compra maçã de segunda ou terceira. Algumas têm gosto de isopor. Como o consumidor gaúcho é pouco exigente, vai tu mesmo. Mas comigo não, violão. Cansado de comer isopor descobri umas frutas argentinas. Foi com receio à mordida.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »