O conselho do baiano

11 ago • A Vida como ela foiNenhum comentário em O conselho do baiano

Nas minhas experiências publicitárias aprendi a ser frio na avaliação dos projetos ou campanhas feitas pelas agências onde trabalhei. Não é necessariamente a visão do cliente ou até mesmo dos teus amigos, então keep calm e analise friamente o caso.

Não lembro em qual livro, mas foi em um do Jorge Amado que há uma passagem maravilhosa. Na época em que o livro foi escrito, Salvador passava por transformações e, claro, que não podiam deixar de aparecer publicitários com ideias novas para empresários antigos.

O caso foi que o dono de loja de roupas e tecidos, já velhinho mas na faixa do el diablo sabe más por viejo que por diablo, recebeu a visita de um deles. Pacientemente, ouviu o rapaz desdobrar as etapas da campanha que gentilmente fez a ele, claro que sem custo. Olhou os layouts dos anúncios sem demonstrar nenhuma emoção. Ao fim, recostou-se na cadeira e falou.

– Moço, o seu hálito recende a acarajé e a uísque, uma sábia mistura sem dúvida, mas permita que eu lhe diga uma coisa: o seu anúncio é uma bosta.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »