O chefe e o mar

24 nov • A Vida como ela foiNenhum comentário em O chefe e o mar

 Durante duas décadas, o governo gaúcho manteve no Rio de Janeiro uma espécie de embaixada, teoricamente para auxiliar o Palácio Piratini em pleitos federais. O problema era que o Rio não era mais a Capital Federal, portanto, não servia para rigorosamente nada em termos de governo-governo.

 Abrigava pelo menos uma dúzia de funcionários, sempre comandados por alguém de confiança do governador e, como se dizia nos anos 60, “colimado com os objetivos da Revolução Redentora de 64”. Pois foi nomeado chefe do escritório um gaúcho de quatro costados, cantor de serestas, poeta, declamador e boêmio, não necessariamente nesta ordem. E, claro, homem da Revolução de 64. Soldado do partido.

 No dia em que chegou no Rio para assumir o cargo, o jornalista Éldio Macedo aguardava o novo chefe no aeroporto Santos Dumont. Nos anos 60, Éldio foi dono de boate famosa em Porto Alegre, casa que hoje chamaríamos de danceteria. O jornalista então levou sua excelência para a casa gaúcha a bordo do Opala oficial. Lá pelas tantas do trajeto, vendo aquela água toda, o chefe botou a cabeça para fora da janela do carro e desandou a cantar.

 – Copacabaaana princesiiiinha do maaaar…

 Éldio puxou o chefe de volta ao mundo real.

 – Chefe, não é Copacabana, é a Lagoa Rodrigo de Freitas!

 O homem fechou a cara. Durante anos, Macedo dizia não entender o motivo pelo qual o chefe não lhe dava a mínima pelota. Mais do que isso, era inamistoso e até hostil.

 Moral da história: nunca corrija um poeta da noite quando ele for seu chefe.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »