Bombeiros de jujubas

20 nov • Caso do DiaNenhum comentário em Bombeiros de jujubas

jujuba

 Alguém me enviou um vídeo ensinando como apagar incêndio com Coca-Cola. Não precisa de vídeo para entender. Pegue uma garrafa Pet, de preferência de dois litros da “água negra do capitalismo”, como diziam os italianos, sacuda bem e aponte para o foco do fogo e tire o polegar. Vai ser uma melecama, mas, se não for de grandes proporções, como escrevem os rapazes da reportagem policial, dará conta do recado.

 Então eu vou melhorar esse extintor. Compre jujubas e coloque algumas dentro da garrafa. Em segundos, o refrigerante vai jorrar mais alto que poços de petróleo que se viam nos filmes dos anos 1950. Proceda da mesma forma. Se não apagar pela Coca, vai apagar pelo jato de ar.

 Como bombeiro involuntário que sou, neste caso, sugiro que os supermercados atem nas garrafas Pet um pacotinho de jujubas. Aí é o pacote completo, um senhor serviço de utilidade pública. Se for beber, guarde as jujubas para uso futuro.

 Contam que lá pelas bandas da Piedade, perto de São Vendelino, um sujeito apelidado de Planchón (Planchão, por causa da largura dos pés, que pareciam lagartas de tanque) certa vez, apagou um incêndio em fardos de alfafa saídos da prensa da venda do seu Franz Josef de outra forma, com ventos de retaguarda. Antes de ser bombeiro à ré, o Planchón tinha comido feijão, chucrute, cinco ovos duros e meia melancia passada de sobremesa. Tenho minhas dúvidas sobre a veracidade do caso, até porque essa mistura é altamente inflamável.

 De forma que as chamas não foram debeladas por ele. Foi ele que começou o fogaréu.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »