Horário eleitoral pago

7 nov • Caso do DiaNenhum comentário em Horário eleitoral pago

 Afora debates e, mesmo assim, os derradeiros e capitais, a audiência do horário eleitoral gratuito é pequena, certo? Sim e não. De fato, é baixa sim, mas alguns candidatos se sobressaem e chegam lá graças à aparição na TV. É um aspecto interessante que se repete a cada eleição. O candidato ganha corpo pela retransmissão do seu recado por boca a boca (no passado mais) e pelas redes sociais.

 É um corolário da observação de um político mineiro sábio, José Maria Alckmin, que, já nos anos 1960, dizia que não era o fato que se espalhava, mas a versão do fato. Isso nós vemos diariamente quando se trata de meias-verdades que são deturpadas e levadas ao eleitor até de forma negativa e distorcidas.

 No caso do horário eleitoral, há outras variáveis, especialmente dos que sabem fazer limonada do limão. O exemplo supremo foi o candidato a presidente Enéas. Mas foi uma sacada de gênio, não correspondente à sua excelência política.

 Quanto a ser horário eleitoral gratuito cabe a pergunta: gratuito para quem, cara-pálida? Por que até hoje as redes de TV e rádio não reclamaram dessa invasão em horário nobre? Simples. As emissoras cobram tabela cheia do que eventualmente teriam que negociar caso fossem anunciantes particulares. Quer dizer, quem paga somos nós.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »