Não matem o mensageiro

6 nov • Caso do DiaNenhum comentário em Não matem o mensageiro

 A revista The Economist trouxe na capa uma discussão sobre as mídias sociais e a democracia. De acordo com a publicação, Facebook, Google e Twitter deveriam melhorar a política, “mas algo saiu muito errado”. Conforme a revista, há muito tempo as mídias sociais sustentavam a promessa de uma política mais esclarecida, uma vez que informações precisas e uma comunicação sem esforço ajudaram as pessoas boas a afastar a corrupção, fanatismo e mentiras. No entanto, longe de trazer esclarecimento, as mídias sociais estão espalhando veneno. É um fato. Um grita mata e outro, esfola.

 Só divirjo da The Economist em um ponto: as redes sociais são um espelho da sociedade. Não são a causa desse fundamentalismo, são consequências dele. Se elas podem ou não ter filtros mais efetivos é outra discussão. Em suma, esse ódio é um sinal dos tempos.  Esse mundo clama por uma guerra civil.

 Falência múltipla dos órgãos. Isso é que se lê muito nos obituários.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »