O essencial invisível

24 out • Caso do DiaNenhum comentário em O essencial invisível

revolver-1312574

 Tragédias como esse acontecido em Gravataí (RS) com traficantes disparando a esmo e ferindo 33 pessoas, matando um casal que nada tinha a ver com a briga deles com outra facção, se repetem todos os dias mas sem dimensão. Normalmente – para ver a que ponto chegamos, normalmente… –, eles se matam mutuamente e, eventualmente, alguém, que estava no local errado e na hora errada, morre. Mas nas vilas e nos subúrbios, a dor e a revolta chegam com poucos decibéis aos ouvidos da sociedade.

 Aí os leitores e colunistas berram “cadê o governo?”. Inútil. O governo tem traque, os traficantes tem canhão; o governo tem leis malfeitas, o tráfico não as respeita. Como dizia Antoine de Saint Exupéry, o essencial é invisível aos olhos: o usuário de drogas. Ah, mas ele é um coitado dependente químico. Alto lá! Ele não era dependente quando cheirou ou se injetou pela primeira vez. E podem consultar os especialistas, apenas 30% (em torno disso) realmente viram o que nós chamamos de viciados.

 O usuário que usa a droga de forma recreativa é cúmplice desses assassinatos. O resto é conversa pra boi dormir e enquanto não for esse o alvo do repensar o combate ao tráfico, continuaremos morrendo.

Foto: Freepik

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »